A casca do murici é muito usada pela indústria de tinturaria para extrair pigmento escuro para tingir tecidos (dá a cor cinza ao algodão). Segundo a medicina caseira, tem propriedades febrífuga e adstringente na forma de infuso.

Byrsonima verbascifolia Rich ex Juss.

Nome popular: douradinha, murici-orelha-de-burro, murici-cascudo.

Características: árvore ou arbusto de tronco nodoso, tortuoso e de coloração escura. Folhas simples, opostas, coriáceas, com estípulas interpeciolares, coloração verde-brilhante, pilosidade em ambas as faces e nervação bem elevada na face inferior. As flores estão dispostas em inflorescências do tipo racemo terminais, de coloração amarela quando jovens e tons avermelhados à medida que envelhecem. Frutos carnosos, do tipo drupa, com cerca de 1,3 a 1,5 cm de diâmetro, globosos, amarelos, em cachos, com uma a três sementes em seu interior. São comestíveis e muito empregados na fabricação de doces, licores, sucos e sorvetes. A época de florescimento vai de novembro a janeiro.

Uso medicinal: a casca do murici é muito usada pela indústria de tinturaria para extrair pigmento escuro para tingir tecidos (dá a cor cinza ao algodão). Segundo a medicina caseira, tem propriedades febrífuga e adstringente na forma de infuso. O banho feito com o chá das folhas e a casca das raízes são recomendados para tratar problemas de pele. O chá preparado com os frutos espremidos em água (infuso) é referido como laxante brando. A ingestão dos frutos com açúcar é considerada útil para o mesmo fim, além de ajudar no combate da bronquite e de tosse. Já o chá preparado por infusão da planta inteira é usado em casos de sífilis e como diurético. Deve-se, porém, tomar cuidado com a ingestão exagerada, pois em altas doses, a Byrsonima verbascifolia pode ser tóxica.

Uso comprovado: o extrato alcoólico das folhas e casca das raízes é antiviral.