Dentro de uma visão mais simplista – que a agronomia já está abandonando devido à pressão por uma abordagem mais ecológica, as chamadas “ervas daninhas” ou “ plantas invasoras” são apenas agentes nocivos que infestam as culturas e precisam ser urgentemente erradicadas.

O fato é que estas plantas expressam um verdadeiro diagnóstico das condições do solo. As grandes monoculturas da agroquímica produzem tal”pasteurização” ecológica que a vida vegetal que medra nestas megalavouras também sofre as consequências desse desequilíbrio. São verdadeiras monoculturas de plantas “daninhas”.

 Os seres humanos vivem na extremidade do deserto há quase 500 mil anos. Durante a última glaciação, o deserto do Saara foi mais úmido (como o Leste africano) do que é agora, e já possuiu densas florestas tropicais. Seu clima era tão diferente que recentes estudos revelaram que o Rio Nilo corria antigamente para o Oceano Atlântico em vez de desaguar no Mar Mediterrâneo.

No solo, o pó de basalto é atacado pelos microorganismos (bactérias e fungos) e pelas secreções ácidas das raízes das plantas que solubilizam o pó moído.

Quase ninguém se dá conta de que bilhões de animaizinhos populam cada metro quadrado de solo. Calcula-se que em cada metro quadrado de solo sadio existem uns seiscentos gramas de microrganismos da micro, meso e macro fauna.

Para reconhecer um solo mal estruturado existem alguns indicadores simples. Certas plantas invasoras, por exemplo, só crescem em solos compactados, como a guanxuma, assa-peixe e cabelo de porco.

Bem tratada, a terra será generosa com sua horta. Aqui você aprende a conhecer e a analisar os tipos de solo e também como lidar com cada um deles. O sucesso de sua horta vai depender, em grande parte, da terra.

Para determinar a necessidade de correção química do solo, é preciso antes saber o que é ph. Representado por um número que vai de zero a catorze, o conceito “potencial de hidrogênio” – o ph – é uma medida que indica se o solo é ácido, neutro ou alcalino