Para reconhecer um solo mal estruturado existem alguns indicadores simples. Certas plantas invasoras, por exemplo, só crescem em solos compactados, como a guanxuma, assa-peixe e cabelo de porco.

Outras são indicadoras de excesso de água e má aeração, como a carqueja e as gramíneas baixas, de folhas muito estreitas. O desaparecimento das leguminosas  num campo onde só as gramíneas resistem também pode indicar falta de aeração. Outro indício de má estrutura é o acúmulo de pó na superfície da terra. Com o aparecimento de nuvens de poeira que sempre venta.

A raiz principal de qualquer erva ou arbusto que penetre mais de 30 cm de profundidade também pode dizer muito a respeito da estrutura da terra. A erva deve ser retirada do chão com todo cuidado, para que possa observar pelo menos os 30 cm da raiz principal. Se ela desce reta, sem estrangulamentos ou deformações, com ramificações mais ou menos uniformes, o solo é bem estruturado. Se ela desce reta até um ponto e de repente tem um desvio ou afinamento, o solo deve estar compactado a partir daquela profundidade.

Um truque para testar a estrutura da terra

Há um bom teste para saber se o solo tem boa estrutura:

  1. Faça um buraco com uma enxada, tendo o cuidado de não desmanchar demais os torrões que se formam.
  2. Pegue um torrão grande e coloque-o inteiro num recipiente com água suficiente para cobrir totalmente a terra.
  3. Observe. Se o solo se desmoronar rapidamente, como um torrão de açúcar, está mal estruturado. Se ele se mantiver agregado, soltando muito lentamente, está bem estruturado.